VIII. Resposta

Hoje choveu cá dentro. Temi que fosse trovejar, mas ficaste-te por aí. Sopraste-me, no teu tão próprio acto de ser e permaneceste aí: intocável. Li o teu olhar; sabia que procuravas no meu corpo a resposta à tua indiferença fingida.
Pois, bem... Seca-te à luz até que se expire, nas areias do tempo, o tempo que precisei para deixar de precisar dessa seiva venenosa.

2 comentários:

Pedro Sampaio disse...

Intenso, gostei!

Jéssica Cardoso disse...

Hoje também choveu dentro de mim. Talvez tenha sido ontem.
Senti que a trovoada me mudou... Sinto cada uma das tuas palavras, como se te conhecesse e te soubesse as passadas infelizes e partilhasse contigo um mundo de possibilidades e flores arremessadas.

Enviar um comentário

Quando lia contos de fadas, eu imaginava que aquelas coisas nunca aconteciam, e agora cá estou no meio de uma! Deveria haver um livro escrito sobre mim, ah isso deveria! E quando for grande, vou escrever um...
L.C.