II. Sofá



Por vezes, sinto a alma a pesar e a precisar, sobretudo, de chá e sossego. Como que para aclarar as ideias e reavaliar os passos a dar. Nunca os que já foram dados. A ideia é nunca olhar para trás. A ideia é esquecer as portas que se fecham a cada segundo que passa e medir as pontes que se lançam aos nossos pés.
A inspiração feita no passado, não nos livrará de morrermos asfixiados no futuro. Então é preciso continuar a respirar e resistir neste mundo.
Por vezes, quando sinto a alma cansada, sento-me no sofá para descansar os pés e recuperar o fôlego. E é assim que (sobre)vivo. 

5 comentários:

nês disse...

Já tinha saudades de te ler! Sabes, faço o mesmo que tu...

Lúcia disse...

as tuas palavras é que são sempre mais do que palavras!

Maria Inês disse...

Tão bonito! Sobreviver às vezes é o que vem antes de viver. Agora estamos mais em baixo, tentamos ir buscar forças a todo o lado, mas um dia voltaremos a viver e a viver bem. Porque a vida é um ciclo e, no fim, tudo ficará bem. :)

Catarina disse...

Está mesmo bonito! Gostei! :)
r: ahahah asério?! ahahah Obrigado por leres a minha parvoíces!! :D

Raquel Pires disse...

Ainda bem que descobriste o meu blog para eu poder descobrir o teu. Este post é delicioso e em geral todo o blog é um bom sítio para estar. Vou cá voltar mais vezes, com certeza... Muito obrigado por teres passado no Ilusórias Certezas!

Enviar um comentário

Quando lia contos de fadas, eu imaginava que aquelas coisas nunca aconteciam, e agora cá estou no meio de uma! Deveria haver um livro escrito sobre mim, ah isso deveria! E quando for grande, vou escrever um...
L.C.