Há músicas que vibram em nós como doces retornos ao cordão umbilical.
Há músicas que nos deixam com formigueiro nos pés, nas costas, na cabeça.
Há músicas que nos ligam à floresta: somos coelho branco ou ave de rapina. O eco de jovens virgens cintila por pinheiros e não há chuva nem maldade. É tudo tão puro, tão paradisíaco. Tão paralelo.
Ó Luz!
Ó Rosa!
Ó Duquesa da Noite! Vestes-te de Lua ao peito e deixas-me órfã do teu amor.
      Não era eu tua filha?


3 comentários:

Rosie Hart disse...

Tu és a música!
Adoro e ADORO mesmo o teu blog. You know that!
Obrigada pelos elogios Alice. Não deixes de escrever... Nunca.

Rosie Hart disse...

Btw... Adoro a soundtrack do blog! Listening to Sigur Rós - Valtari. Listen too and tell me what do you think!

Lúcia disse...

«Chove e eu confundo-me com as sombras do nevoeiro... Se isso é bom? Não sei» é que adorei :)))
e muito obrigada, a sério, fico mesmo feliz por teres achado que eu merecia o prémio :))

Enviar um comentário

Quando lia contos de fadas, eu imaginava que aquelas coisas nunca aconteciam, e agora cá estou no meio de uma! Deveria haver um livro escrito sobre mim, ah isso deveria! E quando for grande, vou escrever um...
L.C.