Luz nova

Os ventos transformaram-se em paredes. E em estranhas marés entranhadas espero o azul fogo. Os meus ossos estão frios. Lá fora, estará a esperança de prata, de pontes e de poetas loiros; de um mundo silencioso.
Escuta-o. Parece absoluto. Está a dormir.
Através das chamas, verei os líquidos da hibernação. Ao longe, toca um trompete. Dó… Ré. Si bemol... Dó. Si...
Electricidade: o teu polegar sobre o meu lábio.
Fragilidade: o chão foge-nos dos pés – estamos sobre cascatas. A emergência inextinguível dos jactos translúcidos de amor.
Nós e asas: à deriva, a flutuar sobre o mar. Cabelos, peitos e quadris.
A Via Láctea: as estrelas sobre nós. O teu orgasmo.
A profetisa púrpura: o Jardim de Éden.
Amanhã ao espelho: o breve momento em que me matas.

Luz nova

.

4 comentários:

Eros disse...

As Constelações retornam ao Olimpo e Atlântida emerge ávida pelo beijo da Luz.

Afonso disse...

obrigado, também gostei (:

Flávia disse...

A via láctea mais pura que li <3

Lúcia disse...

adoro, adoro mesmo :)

Enviar um comentário

Quando lia contos de fadas, eu imaginava que aquelas coisas nunca aconteciam, e agora cá estou no meio de uma! Deveria haver um livro escrito sobre mim, ah isso deveria! E quando for grande, vou escrever um...
L.C.